Bolo de limão e frutas vermelhas do Bendito Café, nos Jardins - Tadeu Brunelli

Bolo de limão e frutas vermelhas do Bendito Café, nos Jardins - Tadeu Brunelli

As dicas para o final de semana em São Paulo, 01/12

Roteiro traz café da manhã de hotel, bolo fofinho e doce português! E mais: festival tailandês, comida boa no museu, receita para quem tem preguiça, vinho e cerveja

Da redação - Publicado em 01/12/2017, às 10h34

Sábado e domingo, em São Paulo, é sempre repleto de atrações para comer, beber e passear. Garimpamos algumas dessas opções, baseados nas nossas andanças, pesquisas e apurações feitas para a produção das edições da revista Sabor.club.

Para assinar e ficar ainda muito mais antenado, acesse http://sabor.club/assine

PARA CAFÉ

Emiliano – acordou com a vontade de ter um legítimo café de hotel? Pois bem, você não precisa viajar para se mimar com esse luxo. No cinco estrelas, no bairro dos Jardins, o programa é aberto à não hóspedes nos moldes de um brunch, com quase 40 opções no cardápio. Oferece de ovos beneditinos e waffle com maple à croque monsieur e cuscuz com queijo coalho; pães artesanais, frios, geleias, frutas, massas, carnes, sobremesas, espumante. Custa R$ 195, por pessoa. Finais de semana e feriados, das 12 às 16h.
Rua Oscar Freire, 384, Jardins, Tel. (11) 3728-2000


Bendito Café – a casa, que já é sucesso em Aldeia da Serra, chega aos Jardins. A fórmula é mesclar comidinhas que remetem aos sabores de infância e servir cafés sustentáveis e em vários estilos. Traduzindo, há bolos como o de coco gelado, cenoura com brigadeiro, limão com frutas vermelhas (foto); e a carta de cafés traz um blend exclusivo criado pela barista Isabela Raposeiras e é composto por Bourbon Amarelo, Catuaí Amarelo e Catuaí Vermelho. No quesito extração, além do espresso e coador de pano, serve a bebida em Prensa Francesa, Aeropress, Chemex e Syphon Coffee. 
Alameda Franca, 1167, Mezanino, Jardim Paulista, Tel.: (11) 2729-3510

 


Empório Arte Nata –
se você é do tipo que não resiste ao duo ‘café e um docinho’, precisa passar por aqui. Prepare-se para o delírio especialmente se amar doces portugueses, a especialidade do local! Sim, a vitrine é tomada por iguarias como pastel de natal, toucinho do céu e papo de anjo; além de bolos como o da Ilha da Madeira. Outro bom motivo para a visita é a localização: a dois passos na Avenida Paulista.
Rua Frei Caneca 1380, Consolação, Tel.: 11-3263-0803


PARA COMER



Projeto Mistura – dezembro chega e com ele este evento liderado por Checho Gonzales. A ideia é trazer diferentes chefs à cozinha do MIS – Museu na Imagem e do Som, no Jardim Europa. A estreia é com a chef Clarice Reichstul, do Paca Polada, que fará o Zappie (foto), tipo de sanduíche aberto popular na Polônia. A cada duas semanas, muda o convidado e vai até fevereiro. Das 12h às 21h, de terça a sábado; e das 11h às 19h, aos domingos e feriados.
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, Tel. : (11) 2117-4777


Namga
– está em cartaz a 6º edição do Festival Loy Krathong, tradicional celebração do calendário tailandês que homenageia Mae Khongkha, a Mãe das Águas. Por aqui, o a comemoração tem menu especial a quatro mãos elaborado por Roni Kormis, chef residente e Yuji Honda, dos restaurantes Bo.Lane e Blue Elephant, de Bangkok. São 11 itens em 5 tempos e entre os destaques estão bolinhos de camarão e cana de açúcar, dumpling de cogumelo no vapor (foto) e curry de porco com alho, gengibre, amendoim e raiz de lótus. Sai R$ 130, por pessoa ou R$ 240, casal; há ainda a opção de pratos individuais. Acontece até 21/12.
Rua Apiacás, 92, Perdizes, Tel.: (11) 2507-1774



A Figueira Rubaiyat – ícone da gastronomia paulistana acaba de reformular cardápio e agrega sotaque mediterrâneo à cozinha. Entram pratos como fideuá de camarões com açafrão, arroz de polvo (foto) e vieiras com batata doce e redução de laranja. A novidade tem assinatura de peso: o premiado chef catalão Daniel Redondo, que já trabalhou no espanhol El Celler de Can Roca, um dos restaurantes mais renomados do mundo; e foi idealizador, junto com Helena Rizzo, do paulistano Maní.
Rua Haddock Lobo, 1738, Jardim Paulista, Tel.: (11) 3087-1399

 

PARA BEBER



Brewdog –
acontece neste sábado (02), mais uma edição do Santo Growler, tradicional festa da casa que oferece, a cada mês, descontos de 20 % em alguns rótulos para quem recarregar o seu growler - garrafão apropriado para transporte de chope artesanal. A double IPA Seasons Mosaic, na promoção que vale tanto para consumo no bar quanto para levar para casa, sai R$ 67,05, o litro. Para completar, música ao vivo e bons sanduíches – linguiça com chimichurri e burgers. A partir das 14h.
Rua dos Coropés, 41, Pinheiros, Tel. (11) 3032-4007

 

Benzina – abriu as portas esta semana, na boemia Vila Madalena, com a promissora fórmula do ‘beber bem e pagar pouco’. Para ser fiel ao conceito, os drinques custam de de R$18 a R$25, sejam eles clássicos – como Aperol ou Negroni (foto); ou autorais -  o Mediterrâneo leva Tanqueray Ten, mirtillo, alecrim e tônica. Quem comanda é Gabriel Santana, brasileiro que venceu a etapa Suíça do World Class e figurou entre os 50 melhores barmen do mundo. Para matar a fome, ícones da comida de rua de Londres e Berlim, como fish & chipscake of rain – uma espécie de bolinho de chuva salgado.
Rua Girassol, 396, Vila Madalena, Tel.: (11) 3031-2008


Em casa – em busca daqueles rótulos do tipo ‘Best Buy’ – vinhos excelentes e de bom custo benefício? O Garibaldi Prosecco Brut, é um espumante nacional com muito frescor e acidez (R$ 30); o Gran Sasso Montepulciano D´Abruzzo 2015, um tinto italiano gostoso de beber, ganha pelos aromas de ameixas e cerejas (R$ 70); já o Ombú Reserve Tannat 2016, uruguaio, tem taninos de ótima textura, é potente, untuoso e estruturado (R$ 133).


PARA COMER COM OS OLHOS



Como Cozinhar Sua Preguiça
, (Gabriela Baretto, Editora Melhoramentos, R$ 129) – A chef do premiado Chou, em São Paulo, lista 51 receitas que valorizam o ingrediente e a simplicidade no seu manejo. Gabriela, que estudou no Le Cordon Bleu de Paris e enfrentou as panelas ao lado de Paola Carosella, não prega o uso de itens orgânicos ou de pequenos produtores, mas faz questão que seu leitor busque qualidade. Tampouco ela propõe receitas complicadas, cheias de passos, e sim pratos intuitivos, muitas vezes pensados para serem feitos na grelha ou na chapa. Para a autora, colocar sua experiência em livro significa inspirar quem vai lê-lo.